O que são os alcoólicos anónimos?

Há duas maneiras práticas de descrever AA. A primeira é a descrição comum dos seus propósitos e objectivos:

Alcoólicos Anónimos é uma comunidade de homens e mulheres que partilham entre si a sua experiência, força e esperança para resolverem o seu problema comum e ajudarem outros a se recuperarem do alcoolismo. O único requisito para ser membro é o desejo de parar de beber. Para ser membro de AA não é necessário pagar taxas de admissão nem quotas. Somos auto-suficientes pelas nossas próprias contribuiçőes. AA não está ligado a nenhuma seita, religião, instituição política ou organização, não se envolve em qualquer controvérsia, não subscreve nem combate quaisquer causas. O nosso propósito primordial é mantermo-nos sóbrios e ajudar outros alcoólicos a alcançar a sobriedade.

O "problema comum" é o alcoolismo. Os homens e mulheres que se consideram membros de AA são e serão sempre alcoólicos, embora possam ter outras adicçőes. Reconheceram finalmente que já não são capazes de controlar qualquer tipo de bebida alcoólica. Hoje mantêm-se completamente afastados da bebida. O mais importante é que não tentam enfrentar sozinhos o problema. Discutem-no abertamente com outros alcoólicos. Esta partilha de "experiência, força e esperança" parece ser o elemento chave que torna possível viverem sem álcool e até, na maioria dos casos, sem vontade de beber.

A segunda maneira de definir Alcoólicos Anónimos é descrever a estrutura da Comunidade. Numericamente, AA compõe-se actualmente de mais de 2.000.000 de homens e mulheres em 180 países 1. Estes homens e mulheres reúnem-se em grupos que variam em tamanho, desde uma meia dúzia de ex-bebedores em algumas localidades, até várias centenas em comunidades maiores.

Nas áreas metropolitanas populosas podem existir numerosos grupos, cada um com as suas próprias reuniões regulares. Muitas reuniões de AA são abertas ao público. A maior parte dos grupos tem "reuniões fechadas", nas quais os membros se sentem encorajados a discutir problemas que poderiam não ser inteiramente compreendidos por não-alcoólicos.

O grupo é considerado o núcleo da Comunidade AA. As suas reuniões abertas recebem alcoólicos e os seus familiares num ambiente de amizade e ajuda mútua. Hoje existem mais de 114.000 grupos pelo mundo inteiro, incluindo algumas centenas em hospitais, prisões e outras instituições 1.

Alcoólicos Anónimos nasceu em Akron, em 1935, quando um homem de negócios de Nova Iorque, sóbrio pela primeira vez em anos, visitou outro alcoólico. Durante os seus poucos meses de sobriedade, este homem de Nova Iorque tinha notado que o seu desejo de beber diminuía quando tentava ajudar outros "bêbedos" a alcançar a sobriedade. Em Akron foi conduzido a um médico local que tinha problemas com a bebida. Trabalhando juntos, o homem de negócios e o médico descobriram que a sua capacidade de permanecerem sóbrios parecia estar muito relacionada com o grau de ajuda e encorajamento que conseguiam dar a outros alcoólicos.

Durante quatro anos o novo movimento, sem nome, sem qualquer organização ou publicações, cresceu lentamente. Formaram-se grupos em Akron, Nova Iorque, Cleveland e nalguns outros locais.

Em 1939, com a publicação do livro Alcoólicos Anónimos, do qual a Comunidade tirou o seu nome, e como resultado da ajuda de vários amigos não-alcoólicos, a Comunidade começou a atrair a atenção nacional e internacional. Abriu-se então um escritório de serviços na cidade de Nova Iorque, para responder aos milhares de perguntas e pedidos de literatura que são recebidos todos os anos.

___________

1 2012

QUANTO É QUE SE PAGA

PARA SER MEMBRO?

Não existem quaisquer obrigações financeiras para se ser membro de AA. O programa de recuperação do alcoolismo de AA está disponível para qualquer um que deseje parar de beber, quer esteja arruinado ou seja milionário.

A maioria dos grupos faz uma colecta nas reuniões, para custear o aluguer da sala de reuniões e pagar outras despesas tais como o café, sanduíches, bolos ou qualquer outra coisa. Na maior parte dos grupos, parte do dinheiro da colecta destina-se à contribuição voluntária para os serviços nacionais e internacionais de AA.

Estes fundos são utilizados exclusivamente para ajudar grupos novos e antigos e para levar a mensagem do programa de recuperação de AA aos "muitos alcoólicos que ainda o não conhecem".

A ideia fundamental é que para ser membro de AA não é preciso apoiar financeiramente a Comunidade. De facto, muitos grupos de AA estabeleceram limites rigorosos aos montantes de contribuições dos seus membros. AA é inteiramente auto-suficiente e não aceita contribuições de fora.

Será que AA é uma comunidade religiosa?

Não, AA não é uma comunidade religiosa, na medida em que não é preciso ter nenhum credo religioso definido para se ser membro. Muito embora tenha sido apoiada e aprovada por muitos chefes religiosos, não está ligada a nenhuma organização ou seita. Entre os seus membros há católicos, protestantes, judeus, membros de outras grandes comunidades religiosas, agnósticos e ateus.

O programa de AA para a recuperação do alcoolismo está inegavelmente baseado na aceitação de certos princípios espirituais. Cada membro tem a liberdade de os interpretar conforme ele ou ela entender ou, pura e simplesmente, nem sequer se preocupar com eles.

A maior parte dos membros, antes de recorrer a AA, já tinha admitido que não conseguia controlar a sua maneira de beber. O álcool tinha-se transformado num poder superior a eles próprios e aceite como tal. AA sugere que para alcançar e manter a sobriedade, os alcoólicos precisam de aceitar e depender de um outro poder que reconheçam como sendo superior a eles próprios. Alguns alcoólicos preferem considerar o seu grupo como esse poder superior. Para muitos outros, este poder é Deus - como cada um O concebe. Outros ainda, acreditam em conceitos completamente diferentes de um Poder Superior.

Quando recorrem a AA, alguns alcoólicos mostram inicialmente muitas reservas quanto a aceitar qualquer concepção de um Poder superior a eles próprios. A experiência mostra que, se mantiverem abertura de espírito a esse respeito e continuarem a assistir a reuniões de AA, provavelmente acabará por não lhes ser muito difícil descobrir por si mesmos uma solução aceitável para este problema, que é puramente pessoal.

Há muitas mulheres alcoólicas em AA?

O número de mulheres que procuram ajuda em AA para o seu problema de bebida, está a aumentar de dia para dia. Cerca de um terço dos seus membros actuais é constituído por mulheres e, entre os recém-chegados, a proporção está decididamente a aumentar. Tal como os homens desta Comunidade, também elas representam todos os estratos sociais e maneiras de beber.

O sentimento geral parece ser o de que as mulheres alcoólicas enfrentam problemas especiais. Algumas mulheres podem eventualmente sentir-se mais estigmatizadas pela sua maneira descontrolada de beber, devido à tendência da sociedade em olhar o comportamento das mulheres de forma diferente.

Em AA não se fazem distinções deste tipo. Qualquer que seja a sua idade, estatuto social, condição financeira ou educação, a mulher alcoólica, da mesma forma que o seu companheiro masculino, pode encontrar compreensão e ajuda em AA. Dentro do seu grupo local as mulheres AA desempenham as mesmas funções que os homens.

Há muitos jovens em AA?

Uma das tendências mais encorajadoras no crescimento de AA é o facto de que os jovens de ambos os sexos estão cada vez mais a sentir-se atraídos pelo programa antes que os seus problemas com a bebida se transformem num verdadeiro desastre. Agora que o carácter progressivo da doença do alcoolismo é melhor compreendido, esses jovens estão a reconhecer que, quando se é alcoólico, o melhor momento para travar a doença é na sua fase inicial.

Nos primeiros tempos de AA julgava-se, de uma forma geral, que os únicos candidatos lógicos a AA eram homens e mulheres que já tinham perdido os seus empregos, caído na valeta e, ou tinham destruído completamente as suas vidas familiares, ou se tinham marginalizado da vida em sociedade há muito tempo.
 

Actualmente muitos dos jovens que recorrem a AA andam na casa dos vinte. Alguns ainda nem lá chegaram. A maioria deles ainda tem empregos e famílias. Muitos nunca estiveram presos nem internados. Mas aperceberam-se dos sintomas ameaçadores, reconheceram que são alcoólicos e não lhes faz sentido que o álcool os faça percorrer o seu inevitável caminho de destruição.

A sua necessidade de recuperação é tão premente quanto a de homens e mulheres mais velhos que não tiveram a oportunidade de recorrer a AA na sua juventude. Uma vez em AA, jovens e velhos raramente se dão conta da diferença de idades. Em AA, uns e outros começam uma nova vida a partir do mesmo ponto: o último copo.

Como é que alguém se pode tornar membro de AA?

Ninguém se torna membro de AA no sentido vulgar da palavra. Não se preenchem quaisquer impressos de admissão. Na verdade, muitos grupos nem sequer conservam um registo dos seus membros. Não se pagam taxas de admissão, quotas nem mensalidades de qualquer espécie.

Muitas pessoas tornam-se membros de AA pelo simples facto de assistirem às reuniões de um determinado grupo. Podem ter sabido de AA por variadíssimas formas: podem ter entrado em contacto com AA ao chegarem àquele ponto do seu percurso alcoólico em que desejaram parar de beber; podem ter telefonado para o número indicado na lista telefónica; podem ter escrito para a direcção do Escritório de Serviços Gerais.

Outros ainda podem ter sido levados a um grupo de AA por um amigo, um familiar, um médico ou um conselheiro espiritual.
 

Um recém-chegado a AA já teve normalmente a oportunidade de falar com um ou mais membros antes de assistir à sua primeira reunião, o que lhe permitiu aprender alguma coisa sobre a forma como AA os tinha ajudado. O recém-chegado ouve falar sobre alcoolismo e AA, o que o ajuda a decidir se está ou não preparado honestamente para desistir do álcool. O único requisito para ser membro de AA é o desejo de parar de beber.

Em AA não se fazem campanhas para aliciar membros. Se, após assistir a algumas reuniões, o recém-chegado decide que AA não é para si, ninguém o irá pressionar para se manter na Comunidade. Poderão dar-se sugestões para que ele ou ela mantenha o espírito aberto a este respeito, mas ninguém em AA tentará forçá-lo a tomar uma decisão. Só o próprio alcoólico poderá responder à pergunta: será que eu preciso de Alcoólicos Anónimos?

O QUE É UMA
REUNIÃO
ABERTA?

Uma reunião aberta de AA é uma reunião de um grupo à qual pode assistir qualquer membro da comunidade local, quer seja alcoólico ou não. O único dever é o de não divulgar os nomes dos membros AA depois da reunião.

A maior parte das reuniões abertas tem geralmente um coordenador e outros oradores. O coordenador abre e fecha a reunião e apresenta cada membro. Salvo raras excepções, os oradores duma reunião aberta são membros AA. Um de cada vez, vão passando em revista algumas experiências individuais que os levaram a entrar em AA. O coordenador pode também expor a sua ideia pessoal sobre o programa de recuperação e sobre o que a sobriedade veio a significar para si. Todos os pontos de vista expressos são meramente pessoais, visto que cada membro de AA só fala em seu nome pessoal.

Antes de se fechar uma reunião deste tipo, há geralmente um intervalo para convívio social em que se serve café, refrigerantes e bolos ou biscoitos.

O que é uma reunião fechada?

Uma reunião fechada é limitada aos membros de um grupo ou visitantes de outro. O propósito de uma reunião fechada é dar aos membros de AA uma oportunidade para discutir determinadas fases do seu percurso alcoólico que só podem ser entendidas plenamente por outros alcoólicos.

Estas reuniőes são geralmente conduzidas com o menor formalismo possível e encoraja-se todos os membros a participarem na discussão. As reuniões fechadas têm um significado muito especial para o recém-chegado, visto que é aí que lhe dão oportunidade de perguntar coisas que perturbam um principiante e o ajudam a beneficiar da experiência de recuperação dos membros mais antigos.

Poderei levar familiares ou amigos a uma reunião de AA?

Na maior parte dos sítios, qualquer pessoa interessada em AA, quer seja ou não um dos seus membros, é bem vinda a uma reunião aberta de um grupo de AA. Sugere-se, especialmente aos recém-chegados que levem as mulheres, os maridos ou amigos a essas reuniões, já que a sua compreensão do programa de recuperação pode constituir uma ajuda importante para o alcoólico alcançar e manter a sobriedade.

Deve voltar a lembrar-se que as reuniões fechadas são só reservadas aos alcoólicos.

Poderão os recém-chegados pertencer a grupos AA fora da sua área de residência?

Esta pergunta é feita muitas vezes por pessoas que parecem ter uma razão perfeitamente válida para não quererem arriscar-se a serem identificados como alcoólicos por um vizinho qualquer. Podem ter, por exemplo, um patrão que desconheça totalmente o programa de recuperação de AA e que seja potencialmente hostil para com quem admita ter um problema com o álcool. Podem, no entanto, desejar desesperadamente juntar-se a AA como uma forma de alcançar a sobriedade, mas podem hesitar em escolher um grupo perto da sua área de residência.

A resposta a esta pergunta é que uma pessoa é livre de escolher um grupo de AA onde muito bem quiser. Claro que é muito mais conveniente escolher o grupo mais próximo, o que implica também uma aproximação mais directa ao problema de cada um. A pessoa que recorre a AA é normalmente, embora nem sempre, considerada um bêbedo.

As boas notícias sobre a sua sobriedade também se espalharão inevitavelmente. Poucos patrões ou vizinhos sentirão qualquer ressentimento para com a causa da sobriedade continuada do seu trabalhador ou amigo, quer esta se tenha baseado num grupo local de AA ou num que fique a 100 quilómetros.

Presentemente, muito poucas pessoas são despedidas dos seus empregos ou marginalizadas socialmente por estarem sóbrias. Se considerarmos que a experiência de muitos milhares de membros de AA pode constituir um guia seguro, a melhor sugestão é que o recém-chegado procure ajuda no grupo mais próximo, em vez de se preocupar com as reacções dos outros.

Se eu entrar em AA não irei perder muitos amigos e muitas oportunidades de me divertir?

A melhor resposta para isto é a experiência de centenas de milhares de homens e mulheres que já estão em AA. A sua atitude é geralmente a de que não tinham amizades verdadeiras ou grandes divertimentos antes de entrarem em AA. O seu ponto de vista sobre ambos os assuntos modificou-se.

Muitos alcoólicos descobrem que os seus melhores amigos ficam encantados por os verem enfrentar o facto de que não sabem controlar o álcool. Ninguém quer ver um amigo continuar a sofrer.

É evidentemente importante distinguir entre os verdadeiros amigos e as pessoas que casualmente conhecemos em bares. O alcoólico tem tendência para ter muitos "amigalhaços" de cujo convívio poderá, a princípio, sentir a falta. Mas eles serão substituído pelas centenas de AAs que o recém-chegado vai conhecer, homens e mulheres que o aceitam com compreensão e o ajudam a manter a sua sobriedade a todo o momento.

Poucos membros de AA trocarão a alegria que vem da sobriedade por aquilo que parecia ser alegria enquanto bebiam.

O que são os Doze Passos?

Os "Doze Passos" são o núcleo do programa de recuperação individual de AA. Não são teorias abstractas: baseiam-se na experiência dos primeiros membros de AA que lá chegaram por tentativas, umas bem sucedidas e outras falhadas. Descrevem a atitude e as actividades que esses primeiros membros acharam importantes para alcançarem a sobriedade. Aceitar os "Doze Passos" não é, de forma nenhuma, obrigatório.

No entanto, a experiência sugere que os membros que se esforçam honestamente por seguir estes Passos e por aplicá-los na sua vida diária, vão muito mais longe em AA do que aqueles que apenas os encaram com ligeireza. Tem-se dito que é impossível seguir à letra todos os Passos dia-a-dia. Embora isto possa ser verdade, na medida em que os Doze Passos reflectem um modo de vida totalmente novo para a maioria dos alcoólicos, muitos membros de AA sentem que os Passos são uma necessidade prática para manterem a sua sobriedade.


Segue-se o texto de Os Doze Passos que apareceram pela primeira vez no livro Alcoólicos Anónimos, o livro da experiência AA:

1. Admitimos que éramos impotentes perante o álcool - que as nossas vidas se tinham tornado ingovernáveis.

2. Viemos a acreditar que um Poder superior a nós mesmos nos poderia restituir a sanidade.

3. Decidimos entregar a nossa vontade e a nossa vida aos cuidados de Deus, como O concebíamos.
 

4. Fizemos, sem medo, um minucioso inventário moral de nós mesmos.

5. Admitimos perante Deus, perante nós próprios e perante outro ser humano a natureza exacta dos nossos erros.

6. Dispusemo-nos inteiramente a aceitar que Deus nos libertasse de todos estes defeitos de carácter.

7. Humildemente Lhe pedimos que nos livrasse das nossas imperfeições.

8. Fizemos uma lista de todas as pessoas a quem tínhamos causado danos e dispusemo-nos a fazer reparações a todas elas.

9. Fizemos reparações directas a tais pessoas sempre que possível, excepto quando fazê-lo implicasse prejudicá-las ou a outras.

10. Continuámos a fazer o inventário pessoal e quando estávamos errados admitíamo-lo imediatamente.

11. Procurámos através da oração e da meditação melhorar o nosso contacto consciente com Deus, como O concebíamos, pedindo apenas o conhecimento da Sua vontade em relação a nós e a força para a realizar.

12. Tendo tido um despertar espiritual como resultado destes passos, procurámos levar esta mensagem a outros alcoólicos e praticar estes princípios em todos os aspectos da nossa vida.

O que são as Doze tradições?

As "Doze Tradições" de AA são princípios sugeridos como uma forma de assegurar a sobrevivência e o crescimento dos milhares de grupos que constituem a Comunidade. Baseiam-se na experiência dos próprios grupos durante os anos críticos do início do movimento.

As Tradições são importantes tanto para os membros mais antigos como para os recém-chegados, porque recordam os verdadeiros fundamentos de AA como uma comunidade de homens e mulheres cujo propósito primordial é manter a sua sobriedade e ajudar outros a alcançar a sobriedade:

1. O nosso bem-estar comum deverá estar em primeiro lugar; a recuperação pessoal depende da unidade de AA.

2. Para o propósito do nosso grupo existe apenas uma autoridade fundamental: um Deus de amor tal como Ele se expressa na nossa consciência de grupo. Os nossos líderes são apenas servidores de confiança; eles não governam.

3. O único requisito para ser membro de AA é a vontade de parar de beber.

4. Cada grupo deverá ser autónomo, excepto em assuntos que afectem outros grupos ou AA como um todo.

5. Cada grupo deverá ser autónomo, excepto em assuntos que afectem outros grupos ou AA como um todo.

6. Um grupo de AA nunca deverá endossar, financiar ou emprestar o nome de AA a nenhuma entidade parecida ou empreendimento alheio, para evitar que problemas de dinheiro, propriedade e prestígio nos afastem do nosso propósito primordial.

7. Todos os Grupos de AA deverão ser inteiramente auto-suficientes, recusando contribuições de fora.

8. Alcoólicos Anónimos jamais deverá ter um carácter profissional, mas os nossos centros de serviço podem empregar pessoal especializado.

9. Alcoólicos Anónimos, como tal, nunca deverá organizar-se, mas podemos criar juntas ou comissões de serviço directamente responsáveis perante aqueles que servem.

10. Alcoólicos Anónimos não emite opinião sobre assuntos alheios à Comunidade; portanto o nome de AA nunca deverá aparecer em controvérsias públicas.

11. A nossa política de relações públicas baseia-se na atracção em vez da promoção; precisamos de manter sempre o anonimato pessoal na imprensa, na rádio e no cinema.

12. O anonimato é o alicerce espiritual de todas as nossas Tradições, lembrando-nos sempre de colocar os princípios acima das personalidades.

O QUE É O PROGRAMA DAS

24 HORAS?

O programa das 24 horas é uma frase utilizada para descrever a abordagem básica de AA à questão de como de manter a sobriedade. Os membros de AA não juram que nunca mais voltarão a beber para o resto da vida, assim como não se comprometem a não beber amanhã. Ao recorrerem a AA e pedirem ajuda, já tinham descoberto que, por mais sinceros que tivessem sido ao prometerem a si próprios que iriam deixar o álcool no futuro, invariavelmente esqueciam-se dessas promessas e embebedavam-se. A compulsão para beber mostrou ser mais poderosa do que as suas melhores intenções de não beber.

O membro de AA reconhece que o seu maior problema é manter-se sóbrio agora! As vinte e quatro horas do dia constituem o único período de tempo em que ele poderá fazer alguma coisa no que diz respeito à bebida. Ontem já passou, o amanhã nunca chega

"Mas hoje - diz o membro de AA - hoje, eu não vou tomar o primeiro copo. Talvez seja tentado a beber amanhã - e talvez beba mesmo. Mas amanhã é algo com que me vou preocupar quando chegar. O meu grande problema é não beber nestas 24 horas".

Para além do programa das 24 horas, AA sublinha a importância de três "slogans" que provavelmente o recém-chegado já terá ouvido muitas vezes antes de se tornar membro de AA. Estes slogans dizem: "Vá com calma, mas vá", "Viva e deixe viver" e "Primeiro, o mais importante". Fazendo com que estes slogans se tornem uma parte integrante da sua atitude perante os problemas do dia-a-dia, o membro de AA recebe uma grande ajuda na sua tentativa de viver plenamente, sem álcool.

O que AA não faz?

Não tenta aliciar membros nem convencer ninguém a aderir a Alcoólicos Anónimos. AA é para alcoólicos que querem deixar de beber.

Não mantém nenhum registo dos membros nem histórias dos casos pessoais.

Não se envolve na investigação nem a patrocina.

AA não está associado a qualquer outra organização mas colabora com as organizações que combatem o alcoolismo. Alguns membros trabalham para estas organizações mas fazem-no a título pessoal e não como representantes de AA.

Não faz acompanhamento dos seus membros nem os tenta controlar. Ajuda os alcoólicos a ajudarem-se a si próprios.

Não faz diagnósticos médicos nem psicológicos.

Não providencia serviços de desintoxicação nem de enfermagem, hospitalização, medicamentos nem qualquer tratamento médico ou psiquiátrico.

AA não é uma organização religiosa. Os membros são livres de decidir em termos das suas convicções pessoais sobre o sentido da vida.

Não se ocupa da educação sobre álcool nem dá informação sobre o alcoolismo.

AA não providencia qualquer tipo de serviço social, não fornece alojamento, alimentação, vestuário, postos de trabalho ou dinheiro. AA ajuda os alcoólicos a manterem-se sóbrios de modo a poderem por si próprios alcançar isso mesmo.

Não faz aconselhamento familiar nem orientação profissional.

Não aceita dinheiro pelos seus serviços nem contribuições vindas de fora de AA.

AA não escreve cartas de recomendação a instituições prisionais, advogados, tribunais e organizações de carácter social, entidades patronais, etc.

Alcoólicos Anónimos procede em conformidade com a designação de "Anónimo". Não quer que os nomes dos seus membros apareçam na televisão, sejam referidos na rádio ou em jornais. Os membros não revelam os nomes de outros membros mas eles próprios não se envergonham de pertencer a AA. Só pretendem encorajar mais alcoólicos a descobrir AA para serem ajudados. Não se querem armar em heróis e heroínas só por cuidarem da sua saúde.