História de AA

História de AA

AA teve o seu início em 1935 em Akron, Ohio, como resultado do encontro de Bill W., um corrector da Bolsa de New York, com o Dr. Bob S., médico cirurgiăo. Eram ambos alcoólicos considerados irrecuperáveis.

Antes de se conhecerem, os dois tinham tido contacto com os grupos de Oxford, uma sociedade composta por pessoas năo alcoólicas que procuravam a aplicaçăo de valores espirituais universais ao dia a dia das suas vidas. Bill W. tinha conseguido ficar sóbrio há uns meses como resultado do poder desses valores espirituais e da ajuda do seu velho amigo Ebby T., que pela mesma razăo conseguira deixar de beber, e mantinha-se em sobriedade trabalhando com outros alcoólicos. Apesar de năo ter conseguido que nenhum desses alcoólicos parasse de beber, ele  descobrira que reforçava a sua sobriedade sempre que tentava ajudar outros.

O Dr. Bob, porém, apesar do seu contacto com os grupos de Oxford năo conseguia deixar a bebida. Mas, quando travou conhecimento com Bill, tal facto surtiu um efeito imediato: Desta vez, encontrava-se cara a cara com um companheiro alcoólico que conseguira deixar de beber, que lhe explicou que o alcoolismo era uma doença mental, emocional e física. Bill repetiu-lhe o que lhe havia dito o Dr. William D. Silkworth no Hospital Towns de N.Y., onde estivera várias vezes internado. Apesar de ser médico, o Dr. Bob năo sabia que o alcoolismo era uma doença, mas os argumentos de Bill convenceram-no e rapidamente alcançou a  sobriedade, năo voltando mais a beber.(A data do início da sua sobriedade, 10 de Junho, foi adoptado pela comunidade como "Dia Mundial de AA")

Os dois começaram a trabalhar com os alcoólicos internados no Hospital Municipal de Akron e, em breve, tinham conseguido que um paciente alcançasse a sobriedade. Apesar de ainda năo existir sequer o nome Alcoólicos Anónimos, estes três homens foram o núcleo do primeiro Grupo de AA. No Outono de 1935 o segundo Grupo foi tomando forma em N.Y., e o terceiro iniciou-se em Cleveland em 1939. Havia demorado mais de quatro anos a conseguir juntar os primeiros 100 alcoólicos sóbrios nestes Grupos fundadores.

No início de 1939 a comunidade publicou o seu texto básico, contido no livro "Alcoólicos Anónimos". Neste livro escrito por Bill, expőe-se a filosofia e métodos de AA, cuja essência se encontra nos agora bem conhecidos 12 Passos de recuperaçăo.  Na altura, o livro comportava ainda as histórias de vida de 30 alcoólicos recuperados.

Devido a vários artigos publicados na imprensa, no final de 1939 já havia 2000 membros de AA  e, em finais de 1941, o número subia a mais de 6000 divididos por imensos Grupos que se foram criando um pouco por todo o território dos Estados Unidos. O crescimento de AA nos anos seguintes foi algo de inimaginável, pois o movimento estendera-se por  todo o continente americano e para fora dele, havendo na década de 1950 cerca de 100.000 alcoólicos recuperados um pouco por todo o mundo. Apesar deste crescimento, era grande a intranquilidade quanto ao futuro do movimento, dada a ausência de linhas de acçăo básicas que mantivessem unidos os membros.  Entretanto, pelo ano de 1946, já era possível juntar razőes fundamentadas acerca dos problemas de toda a ordem que foram surgindo nos Grupos e, das árduas experiências vividas, Bill começou a compilar princípios que enquadrassem as atitudes, costumes e funçőes que melhor se ajustavam aos objectivos de AA. Esses princípios, que conhecemos como "12 Tradiçőes de Alcoólicos Anónimos" foram enunciados e postos em prática com êxito e săo uma fórmula segura para a unidade e funcionamento de AA. As "12 Tradiçőes" foram adoptadas pelos representantes eleitos (delegados) dos membros na 1ª Convençăo Internacional de AA que se realizou em Cleveland no ano de 1950.

O Dr. Bob, que havia ajudado mais de 10.000 alcoólicos no Hospital de Akron, faleceu a 16 de Novembro de 1950.

Bill W. dedicou-se até à sua morte (24 de Janeiro de 1971) a organizar uma estrutura de serviço que perdurasse para além da vida dos fundadores de AA, ao mesmo tempo que, baseado na experiência colectiva, escrevia  obras essenciais da Literatura AA que continuam a servir os membros e a comunidade. Em 2007, nos escritórios de N.Y havia registo de Grupos de AA em cerca de 180 países, nos quais se recuperavam mais de dois milhőes de alcoólicos.